terça-feira, abril 19, 2005

AD PETENDUM PLUVIAM

Sobre a grande seca de 1896 escrevia-se no Louletano desse tempo:

«A grande estiagem tem prejudicado imensamente os campos que se encontram num lastimoso estado.
Os lavradores já não têm esperanças de ao menos salvar a semente que lançaram à terra.
Durante a semana têm vindo na noite diferentes grupos de homens e mulheres cantando pelas ruas e pedindo água; dirigem-se depois para a igreja de S. Sebastião, onde se acha a imagem da Senhora da Piedade e ali fazem novas súplicas para que Deus mande água para os campos.
Na mesma igreja têm-se feito preces ad petendum pluvia.»

Louletano, 19 de Abril de 1896

«Na Segunda feira de tarde saiu da igreja de S. Sebastião d'esta vila uma procissão de penitência para implorar ao Altíssimo a graça de algumas chuvas para os campos cujas sementeiras eram consideradas quasi perdidas.
Abria com a irmandade da misericórdia, seguindo-se-lhe as do Santíssimo e Almas das duas freguesias , a da Nossa Senhora da Conceição, a do Senhor dos Passos e a da Ordem Terceira de S. Francisco conduzindo as imagens de Stº Elias , Nossa Senhora da Piedade e Senhor dos Aflitos.
Nunca vimos procissão tão concorrida; é calculado em mais de 8000 o número de pessoas que se incorporaram e acompanharam a referida procissão.
Desde que saiu até que recolheu conservaram-se cerrados os estabelecimentos.»

Louletano de 26 de Abril de 1896

«As chuvas que durante uma noite e um dia cairam, se melhoraram consideravelmente n'alguns pontos os campos, não satisfizeram, contudo por completo as necessidades da agricultura.
A esse pequeno período de chuva sucederam-se novamente os dias d'um intenso calor, que tudo abrasa, colocando os agricultores numa angustiosa situação, como é a de ver perdidas as sementeiras . (...)
Apresenta-se, pois, um ano com caracter da fome e da miséria, para muitas centenas de pessoas.
Os géneros certamente subirão, dificultando mais as condições de vida da classe proletária, que é a que mais se ressente com esta grande calamidade.
Esta província tem ainda a seu favor o recurso dos frutos :figo, amendoa e alfarroba, e oxalá estas colheitas supram o prejuízo que os campos dão.»
Louletano de 5 de Maio de 1896