terça-feira, maio 24, 2005

HISTÓRIAS COM POETAS

De um modo geral, todos os que se debruçaram sobre a obra e a vida de Guerra Junqueiro, são unânimes em afirmar que ele é maior do que a sua obra.O seu modo de trabalhar era diferente do tradicional ; ele normalmente não se sentava à secretária para escrever. Fazia os seus versos na rua, sentado em qualquer banco de jardim, ou num mero passeio matinal, escrevendo-os a lápis num simples papel. Junqueiro era um excelente conversador, com grandes devaneios orais, considerado por muitos um génio da expressão verbal, tranformando a sua conversa numa maravilha de graça, de beleza e de vida.Conta-se que uma vez em Paris, Junqueiro passeou durante mais de uma hora com um ilustre escritor francês. Alguns dias depois foi com espanto e admiração que o nosso Poeta viu publicado no Fìgaro um artigo assinado pelo tal prosador francês onde se reproduzia textualmente a conversa que tivera. Junqueiro ironicamente terá dito:
« Eu ditei -- e ele embolsou os quinhentos francos ...»