segunda-feira, maio 30, 2005

OS POETAS ÁRABES DO ALGARVE

No seu livro ''Poesia e arte dos árabes na Hispânia e na Sicília'', Adolfo Frederico Schack escreveu que na comarca de Silves dificilmente se encontraria um camponês que não possuísse o dom de improvisar (poesias) e até o ganhão que ia atrás do arado fazia versos sobre qualquer assunto.
Cito só alguns desses poetas muçulmanos notáveis:Al-Mu'tamid, IbnBadrun, Ibn Ammar, Abd Allah Ibn As-sid, Ibn Uázir, duas célebres poetisas Mariam e Xilbia, Ibn Darraj de Cacela, Abu Othman de Tavira, Ibn Hárun de Faro e Al-Cutair de Loulé.
Está por fazer a História da Cultura do Algarve.

6 Comments:

At 12:53 da tarde, Blogger HFR said...

Depois de José Domingos Garcia Domingues tem-se feito muito pouco, noestudo da cultura islâmica em Silves. Há na verdade que destacar, as asssociações locais de Silves que se dedicam a estas coisa, mas ainda pessoalmente, Manuel Neto dos Santos, António Baeta Oliveira, Adalberto Alves. E outros claro.

 
At 2:07 da tarde, Blogger LG said...

Concordo, apenas alargaria o âmbito geográfico(todo o Algarve) do problema.Aliás, há outra questão que José Pedro Machado, grande diccionarista e também arabista, várias vezes referiu que é essa espécie de eclipse secular iniciado nesta época,imposto com certeza por circunstâncias desagradáveis que convirá enumerar, sem se esquecer evidentemente a investigação das respectivas causas. Hei-de voltar a este tema.

 
At 3:03 da tarde, Blogger HFR said...

Pois é Luís, este eclipse não deixa de ser o apagagamento de um período fértil da História, o mesmo que explica, hoje, o diferendo entre o Islão e o Ocidente. E o conhecimento das razões é o melhor andítodo para esses diferendos.

 
At 3:04 da tarde, Blogger HFR said...

Parece que estou gago...

 
At 3:52 da tarde, Blogger LG said...

Estou com curiosidade de ler o Romance histórico « O Cavaleiro da Águia» de Fernando Campos que António Baeta Oliveira refere no seu Local&Blogal.

 
At 5:59 da tarde, Blogger raul said...

Gostaria de saber se o livro de Frederico Schack ainda está disponível

 

Enviar um comentário

<< Home