sexta-feira, junho 24, 2005

RECORDAÇÕES DO S.JOÃO

Guardo com a saudade as recordações da noite de S.João na minha aldeia, Querença, e também dos banhos de S.joão, à meia noite, em Quarteira. A maior parte das vezes comemorava-se a noite com uma grande fogueira de alecrim , onde toda a família e vizinhos mas sobretudo a garotada, num ambiente de grande alegria e espontaneidade, saltavam a fogueira, nove vezes, dizendo : «Em louvor do S.João, Muita palha no palheiro, E muito trigo no seirão». Recordo- me também de ir passar a noite a Quarteira com a minha avó, cuja praia nessa noite estava apinhada de gente sobretudo gente do campo, que a partir da meia noite e até ao nascer do sol, tomavam banho vestidos, elas a maior parte das vezes de combinação e eles de calças arregaçadas e camiseta, para não falar dos burros, cães e outra bicharada que também ia à água. A razão deste banho colectivo, num cenário festivo de grande algazarra e brejeirice, tinha a ver com a convicção generalizada das virtudes e prodígios especiais da água do mar nesta noite : curava doenças, dava vigor aos velhos, os negócios corriam melhor, os amores eram favorecidos, as raparigas ficavam mais bonitas e outras crendices que já não me lembro.

2 Comments:

At 12:08 da manhã, Blogger HFR said...

Os banhos de 23 ou de 28 de Junho, no auge dos Santos deste mês, são as formas mais arcaicas e ao mesmo tempo mais inteligentes da coesão popular rural. Repare-se no elemento primordial representado pela água (foi dela que nasceram os primeiros seres unicelulares e a vida de todos os mamíferos depende do seu seio), onde as abluções representaram sempre a ritualização da fecundação, da renovação e da regeneração das pessoas. O fogo - aparentemente elemento contrário - é o seu complemento enquanto vertente da criação e da destruição (nada pode nescer sem uma morte contrária). Daí a importância dos banhos de Junho, bem como dos de Agosto, tradição que estudei em Aljezur e Monchique.

 
At 10:13 da manhã, Blogger LG said...

Análise muito interessante.Obrigado.

 

Enviar um comentário

<< Home