segunda-feira, setembro 12, 2005

CASAMENTOS DE CAVALARIA

O Barranco do Velho, lugarejo típico da serra do caldeirão, situado na confluência da estrada nº2 que vai de Torrão a Faro com as que vão para Silves, Loulé e Alcoutim, já foi um sítio importante, quando quase toda a gente que tinha que ir ou vir de Lisboa passava lá.No início do sec xx perdeu-se uma tradição que durante muitos por ali se praticou. Refiro-me aos casamentos de cavalaria -- prática nascida, talvez, do isolamento a que obrigava a falta de vias de comunicação com Salir, sua freguesia eclesiástica, e, de uma igreja local, aonde,pela incomodidade do transporte, que era feito a cavalo, apenas se deslocavam duas mulheres, a noiva e a madrinha - cujo ponto culminante era a corrida à desfilada, dos moços solteiros, participantes do séquito, para a disputa do direito, concedido ao vencedor, de escolher noiva entre as moiças casadoiras que ficavam na casa da bôda a judar nos aprestos da mesma e ali se postavam, em fila, para a cerimónia, no momento da chegada, anunciado por foguetes, todas elas confiantes nos seus dons e graças.
Estou convencido que se isto se mantivesse nos dias de hoje, a taxa dos divórcios aumentava consideravelmente.